Ao meu eu de 17 anos

mother-and-daughter-3281388_1920

Li um texto essa semana que era uma carta de um eu de 21 anos escrevendo para o eu de 11 anos. Achei o exercício sensacional, transformador. Porque quando mais novos, somos repletos de expectativas da vida adulta e quando chegamos lá a tendência é… Se frustrar. O texto é do Chris, e você pode ler clicando aqui.

Vou seguir a lógica de dialogar com o meu eu de 10 anos atrás. Então eu vou pegar a Ana de 17 anos pela mão, quase de forma maternal, e pedir para ela sentar ao meu lado porque eu tenho uma história sensacional para contar a ela. A história de como os anos seguintes vão transformar completamente a forma como ela enxerga o mundo.

Preciso dizer que aquela visita à Mostra de Profissões do Cesumar, que inclusive você estava trabalhando por meio do Rotary, será decisiva para decidir o seu futuro. Eu sei que muitos dos seus amigos nesse momento estão focados no vestibular, e que muitos vão dizer depois da mostra que Jornalismo não é uma opção muito viável.

Você em breve vai entrar na redação do O Diário, tremendo de medo e suando frio para dar uma entrevista falando sobre o trabalho social desenvolvido pelo Interact. Essa entrevista será publicada em um espaço dentro do caderno de cultura. Deixa eu te contar uma coisa: você vai trabalhar nesse lugar, começando inclusive no caderno de cultura como estagiária. E esse lugar vai ser palco para muitas realizações pessoais e profissionais na sua vida.

Não me olhe incrédula, menina. Você vai fazer tudo isso, e eu nem vou dar spoiler porque será surpreendente demais. Você não perde por esperar!

Eu sei que hoje você só queria ter voz para falar o que você acha que é importante para o mundo. Mas será muito melhor: você dará voz a muitas histórias e muitas pessoas. Vai ser instrumento de intermediação de muitas causas, e vai ajudar muitas pessoas através desse ato. Trabalhar no jornal será uma das suas escolas de vida.

Então quando disserem que não tem campo em jornalismo em Maringá para que você repense sua escolha, faça exatamente como você vai fazer: ignore. Aliás, você vai ter de aprender a lidar com vários comentários negativos sobre as suas decisões, mas ouso dizer que hoje eu tenho mais orgulho de quem você foi do que você teria orgulho de quem se tornou. Você é forte. Destemida. Corajosa. Céus, como você é corajosa. E você vai se superar ano após ano.

Muitas pessoas próximas não vão gostar do seu jeito e da forma como você encara o mundo. Mas tem sido assim desde sempre, não é? Eu sei que hoje você se machuca e se fecha. Mas você vai superar tudo isso, embora sua autoestima ainda fique camuflada por um medo assombroso de se aceitar como você é.

Você vai conquistar seu espaço.
Dificuldade após dificuldade.
Mas vai.

Eu sei que aí atrás, nas gincanas do colégio, você fica às sombras tirando fotos dos colegas com sua câmera Sony, atualizando o perfil no Orkut da turma e fazendo artes de divulgação das atividades para colar no mural da escola.

Pelos corredores você sempre escuta alguém elogiar e perguntar quem será que está fazendo isso. Mas você é extremamente tímida para dizer que está por trás dessas pequenas e notáveis ações. Você vai continuar tímida, mas agora sem muito medo de expor suas opiniões e ideias. Sua sinceridade aflorada com o tempo vai assustar muita gente, mas também vai te blindar de muitos sofrimentos.

Sua professora de redação Sonia será imprescindível nessa etapa, assim como sua primeira professora Lígia foi. Você vai tomar ainda mais gosto por escrever com esse incentivo fundamental.

Talvez sua sinceridade também te faça sofrer, porque em geral as pessoas pedem por ela, mas quando escutam, ficam bravas. Te confirmo já uma suspeita sua: as pessoas são estranhos universos paralelos, cheios de problemas e medos, tentando conviver em harmonia em conjunto.

Vai dar ruim em vários momentos. Mas a vida é basicamente assim. Um eterno quebra-cabeças de sentimentos e comportamentos.

Eu sei que hoje você é meio rebelde sem causa, se acha um patinho feio e mal tem coragem de se olhar no espelho. Embora o Interact te dê um sentido na vida, você não tem muita fé. Fé em si mesma, nas pessoas, nos relacionamentos e, claro, em Deus.

Aqui na frente você vai encontrar uma Ana casada, crismada (não adiantou fugir, viu?), autora de um livro-reportagem e com uma carga de experiência proporcionada pela profissão quase que indescritível.

Sim, você ouviu direito: casada. Nem me venha com esse papo de que não vai casar, que acha que relacionamento não vinga, que se for um dia para acontecer, no máximo vai morar junto e pronto. Nesse exato momento você está cuspindo pra cima e esse cuspe vai cair direto na sua testa. Você vai rir disso depois.

E sim, você vai casar. Na igreja. Seu primo de segundo grau vai ser o padre responsável por realizar a cerimônia. Sim, ele voltou da Espanha. E não, não vai casar com nenhum carinha de banda. Ele não tem tatuagem, não tem piercing, nem tem o cabelo comprido. Ele é um ano mais novo que você – e você vai ter que engolir isso, nada de falar que prefere gente mais velha. De velha já basta a Ana que habita na sua cabeça.

Ele não escreve versinhos com rimas, nem vai compor uma música sobre vocês dois. Ele não tem absolutamente nada do que você buscava porque sinceramente, o que diabos você está buscando, Ana? Mas vou te adiantar: ele vai transformar sua vida. Daqui uns anos você vai fotografar bandas… (Sim, vai fotografar!) E enquanto seus olhos estiverem focados em buscar alguém no palco, você vai descobrir depois que ele estava ao seu lado, na plateia.

Bem pertinho.

Durante vários anos vocês vão se cruzar pelos mesmos caminhos sem se verem. Vão frequentar os mesmos espaços, terem amigos em comum, mas não vão olhar um para o outro.

Respeite. Esse é um tempo imprescindível de preparação.

Porque quando o olhar de vocês se cruzarem, ele vai virar seu mundo de cabeça para baixo. Você, que desde os 17 anos – ou menos – se considera uma pessoa perdida e com a cabeça bagunçada… Vou te contar uma coisa: ele vai te ajudar a organizar tudo. Você não vai mais se sentir perdida ao lado dele. E é basicamente isso que você precisa saber por enquanto.

Não tenha medo.

Quando o Valenciano te der um livro chamado “Juventude Consciente”, que fala sobre política, leia com atenção. Eu sei que embora você tenha tirado o seu título de eleitor há pouco tempo, você não vai ler sobre política. Mas ó: no futuro vai procurar esse livro para rever vários pontos dele. Trabalhar com política será outra escola importante na sua formação.

Você também vai trabalhar em uma campanha eleitoral, e nem vai ser como mesária. Nesse ponto você vai sofrer bastante, mas vai aprender finalmente a separar amizade de coleguismo. Não vou falar mais sobre porque você tem transtorno de ansiedade – e não sabe ainda – e vai ficar muitíssimo mal com isso.

Sabe as noites em claro e tardes infinitas que você passa em fóruns buscando aprender a mexer no Photoshop? Continue assim. Daqui exatamente 10 anos você vai agradecer muito a curiosidade da Ana adolescente, porque seu conhecimento básico vai ajudar muito no seu trabalho atual.

Você vai continuar curiosa. Buscando aprender sempre mais. A mulher que você vai ser tornar ainda é cheia de medos, ainda é insegura e talvez menos corajosa do que você é com 17 anos. Mas ela está orgulhosa e prestes a te dar um abraço.

Vem, Ana. Não vai ser fácil, mas eu prometo que será incrível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s